ESTUDANTE QUE MATOU 6 TAXISTAS NO RIO GRANDE DO SUL, CONFESSA OS CRIMES

ESTUDANTE QUE MATOU 6 TAXISTAS NO RIO GRANDE DO SUL, CONFESSA OS CRIMES

Um estudante de 21 anos foi preso ontem suspeito de matar seis taxistas no Rio Grande do Sul. Os crimes aconteceram em Porto Alegre e em Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai, entre os dias 28 e 30 de março. 
Luan Barcelos da Silva confessou o crime alegando motivação financeira, informou o secretário-adjunto da Polícia Civil, Juarez Pinheiro, durante coletiva de imprensa transmitida pela Rádio Gaúcha na manhã de hoje no Palácio da Polícia Civil em Porto Alegre. O jovem foi preso no bairro de Santa Cecília, na capital. 


De acordo com o delegado Gabriel Bicca, o rapaz foi identificado com a ajuda de câmeras de vigilância e por meio dos relatos de testemunhas. Em todas as imagens, o jovem aparece usando uma calça clara, tênis e um casaco. As roupas foram encontradas na residência do criminoso. Testes apontaram para manchas de sangue na roupa. 


No interrogatório que durou 3h, o acusado disse que serviu o Exército Brasileiro e deu detalhes de cada assassinato. Ele afirmou que precisava pagar o aluguel atrasado de um apartamento em que morava em Santana do Livramento. Ao todo, ele roubou R$ 470 de três taxistas em Santana do Livramento e, 48h depois, mais R$ 400 de outros três taxistas de Porto Alegre. 
O criminoso ainda disse que iria matar um sétimo taxista, mas não conseguiu porque deixou a arma no banco de trás do carro ao mudar para o banco da frente à pedido do taxista. 


Segundo o delegado, o rapaz cometeu os crimes de forma aleatória. "Ele parava no ponto de táxi, fazia a corrida, não anunciava o assalto, apenas atirava na cabeça e roubava a quantia que encontrava". 
Segundo agentes do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa), as mortes ocorreram em um intervalo de 90 minutos. Nos três casos, os carros dos taxistas foram abandonados em locais distantes dos corpos. 
De acordo com o Instituto Geral de Perícias, os cartuchos encontrados nos locais dos assassinatos em Porto Alegre são da mesma arma, calibre 22. Trata-se do mesmo calibre dos projéteis encontrados nos corpos dos motoristas executados em Santana do Livramento. A arma ainda não foi localizada pela polícia. 
O criminoso está preso em uma unidade prisional no interior de Porto Alegre. A Secretaria de Segurança Pública não divulgou o nome do local para preservar o preso. 


Protestos 
No fim de março, motoristas protestaram contra a morte dos seis taxistas e fecharam a rua Garibaldi, em Porto Alegre, próxima à rodoviária. Houve um grande congestionamento no local. Outros cem taxistas fizeram carreata até a residência do governador, Tarso Genro (PT), e exigiram mais segurança na capital. Na ocasião, eles foram recebidos pelo governador e pelo secretário estadual de Segurança Pública, Airton Mitchels.  


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!